Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Guatemala’ Category

Guatemala – Flores e Tikal

 Finalmente chegamos a Flores, nossa última estadia na Guatemala. Flores é uma cidade um tanto pitoresca, pois é uma ilhota no meio do lago Peten-Itza. Menos de 10 minutos andando e voce dá a volta completa na ilha.

Nessa cidade, que serviu de estadia para nossa visita a Tikal (ruinas mayas), passamos um tempo razoável, já que viemos com folga porque era natal e nao sabíamos como estaria o funcionamento das coisas por aqui.

Assim, aqui passamos o nosso primeiro dia sem ter nada planejado para fazer na viagem. Andamos um bocado, dormimos mais um bocado, tomamos café e vimos o por-do-sol na beira do lago – enquanto comíamos El Blanco, como chamam aqui um tipo de peixe exclusivo desse lago. Para terem idéia do sabor, seu nome científico é “petenia esplendida“.

Em Tikal, muito história e muita mata.

dsc02239

Flores.

dsc02238

dsc02234

 

dsc02192

O principal templo de Tikal.

dsc01993

dsc02043

179 degraus nos levam ao topo do mais alto templo maya, com 70 metros de altura. A vista é algo de impressionante.

dsc02090

dsc02141

dsc01982

Os pizotes estavam por todas as partes.

dsc02122

dsc02105

dsc02113

dsc02168

dsc02184

dsc02199

dsc02217

Parte da maquete do parque.

Na nossa última noite no país a na América Central, vimos como os guatemaltecos de Flores festejam sua véspera de natal – nada de muito diferente da gente, mas com fogos de artifício. E em homenagem ao natal, segue abaixo a música hit da viagem – o principal jingle navideño de toda a centro-américa: 

“Feliz Navidad, Feliz Navidad
Feliz Navidad, Prospero año y Felicidad.
I wanna wish you a merry Christmas, i wanna wish a merry Christmas, i wanna wish a merry Christmas, from the bottom of my heaaart!”

E um feliz 2009 para tod@s!!!

Anúncios

Read Full Post »

Guatemala – Izabal

Chegamos em Rio Dulce, que é uma típica cidade de beira de estrada: uma estrada e muitas casas, principalmente comerciais, em volta. Por isso acabamos optando por ficar em um esquema mais “buena vida” – um hotel na beira do rio, quase no seu encontro com o lago Izabal. No hotel, ficamos em um bungalow muito charmoso, comíamos à beira do lago, davamos um tchibum e tomavamos um sol em uma balsa. Delícia.

O hotel, além de hotel, é uma marina, de modo que há vários barcos ancourados em torno dele. As pessoas dormem nos barcos e usam a estrutura do hotel. 90% dos barcos que lá estavam eram norte-americanos.

O lago Izabal é o maior lago da Guatemala, e se conecta ao mar do caribe pelo Rio Dulce.

No dia seguinte fizemos a travessia desse rio (que na verdade foi a razao de ser da nossa parada), chegando até Livingston. A travessia é muito impressionante, pois passamos por uma espécie de canon, com paredes muito altas de mata e o rio, estreito e de água muito verde, no meio. Muito bonito.

E Livingston é uma cidadezinha muito curiosa, pois parece que os africanos chegaram aqui na Guatemala e por aqui ficaram. Quase todos os negros do país estao aqui, uma cidade que é uma mistura de um povoado indígena com a Jamaica – dialeto maya e Bob Marley.   

dsc01703

Ponte sobre rio Dulce.

dsc01758

A "cidade".

dsc01707

Nosso hotel.

dsc01730

dsc01735

Vista do hotel.

Na Guatemala experimentamos a cerveja Brahva, que nada mais é do que a velha e boa Brahma. Acontece que quando a cerveja nacional, Gallo, soube que a Brahma estava vindo para cá, correu e registrou o nome na frente…

dsc01767

dsc01855

Travessia do Rio Dulce.

dsc01794

dsc01807

dsc01958

dsc01880

Livingston indígena (em uma adaptacao local, as mulheres carregam os filhos na testa, e nao nos ombros)

dsc01890

Livingston africana - fazendo um som.

Read Full Post »

De volta à Cidade da Guatemala, o Eduardo conseguiu nos arranjar de dormir na casa da universidade daqui, de modo que economizamos uma plata – oba!
No dia seguinte, conhecemos o Palácio Nacional da Cultura, que é um prédio impressionante de bonito, que um dia já foi a casa presidencial, mas hoje é apenas museu, alguns ministérios e o local para atividades públicas presidenciais. O palácio, que procura mesclar elementos da cultura espanhola e maya, foi construído nos entornos de 1930, no governo de um presidente ditador (cujo nome nao recordamos agora) e pelas maos de pessoas presas que trabalhavam – forçosamente – a 25 centavos de dólares por dia.
No palácio há muitas referencias ao acordo de paz firmado entre a guerrilha e o governo guatemalteco, pondo fima uma guerra civil que perdurou até 1996.
Enquanto esperávamos para entrar no palácio – um esquema um tanto conturbado na verdade, com muitas informaçoes truncadas das pessoas que trabalham lá, entre seguranças e guias – conhecemos o mercado central – labirinto de artesanías, comidas e artigos navideños…
 
dsc01629

Palácio da Cultura - pátio onde foi assinado o acordo de paz (reparem na escultura que representa a paz, com duas maos -guerrilha e governo - com um rosa branca em cima que é trocada a cada dia)

dsc01655

O acordo de paz celebrado em 1996

dsc01588

Mural representando a invasao espanhola

dsc016091
Passáros Quetzales em lústre do palácio. Esse pássaro é um símbolo nacional e a moeda do país leva seu nome.

Depois fomos a um parque onde está um mapa do país em relevo, feito por um engenheiro, Francisco Vela, em 1905. Esse mapa retrata o país todo e suas montanhas, retratadas em proporçao 5 vezes maior do que o resto, para efeitos “dramáticos”. Ele foi feito por meio de mediçoes no lombo de um burrro, mas dizem que é bastante preciso.
Interessante que Belize está no mapa, o que mostra como os guatemaltecos consideram que Belize faz parte de seu territorio. Aliás, em breve será realizado um referendo entre cidadaos da Guatemala e de Belize para saber se os cidadaos concordam em levar para a corete internacional a decisao sobreo os verdadeiros limites territoriais.
dsc01667

dsc01671

 Na sequencia fomos ao teatro nacional, que para nossa surpresa está fechado em dezembro e janeiro, de modo que nao pudemos conhecer, e caminhamos pelo centro cívico, composto por alguns predios importantes – como biblioteca nacional e tribunal de justiça – com belos murais em relevo nas suas fachadas.
dsc01688

 dsc01694

De noite fomos à casa de Eduardo e Patrícia, para ver a “posada”, que é uma ceri-monia festiva natalina na qual as pessoas da vizinhança levam um tipo de liteira com Maria e José para posarem cada noite na casa de uma pessoa da rua. Nao vimos a ceremonia, pois chegamos atrasados por conta do transito, mas nos contaram que as pessoas da rua batem na porta, pedem a pousada, entram na casa, fazem uma reza, cantam umas músicas e deixam a liteira ali até o próximo dia, quando a levarao para outra casa. Com isso a vizinhança toda acaba se conhecendo melhor.
Assim nos despedimos da Cidade da Guatemala, já que no dia seguinte partiríamos cedo para Rio Dulce.

Read Full Post »

 No lago de Atitlan ficamos na cidade de Panajachel. Ficamos aquí um dia só, de modo que logo que chegamos fomos atrás de um passeio pelo lago. Acabamos ficando com uma opçao um pouco mais cara, que passava por alguns pueblos, em vez de ir em uma lancha pública que ia para um só. Mas nao saiu muito caro porque o cara fez um preço relativamente barato, já que o turismo está baixo – o que nos chamou a atençao, ja que é alta temporada. Acontece que, seundo o cara da lancha nos disse, os EUA está desrecomendando a Guatemala aos seus cidadaos, por estar muito “violento”, o que derrubou muito o turismo no país… 
dsc01449

Santiago, o primeiro povoado, é habitado por outra naçao maya – tzutujil.  Conseguimos nos despistar de uns tantos guias, que nos queriam levar ao Maximon. Nao sabíamos o que era ese tal Maximon, até que chegou um molequinho também querendo ser nosso guía – a um preço ridículo – e que nao desistiu de nos acompanhar por nada nesse mundo. Ele nos convenceu a “contratá-lo” quando perguntamos o que era Maximon e ele respondeu “una santa maya”, e quando perguntamos o que tinha de especial essa santa maya e ele disse “no se”. Quer guía melhor que esse? De qualquer forma, ele nos levou para ver o Maximon, que é um Deus Maya, que fica a cada ano em uma casa – confraria – da comunidade, para quem as pessoas rezam, fazem pedidos e oferendas. Quando chegamos lá estava havendo uma cerimonia, tudo muito interesante – tanto a cerimonia como a figura do Maximon. Depois conhecemos uma amiga do Eduardo, que é tzutujil, e nos explicou mais sobre o Maximon e o sincretismo entre as culturas maya e crista. 
dsc01464

No segundo povoado, San Antonio, ficamos somente tempo suficiente para duas mulheres nos convencerem a comprar seus tecidos – de fato muito bonitos e baratos.
dsc01472

 No terceiro povoado, Santa Catarina, aos qual fomos depois de passar por umas supostas águas termales que de calientes tinham muito pouco, apenas almoçamos, à beira do rio. Local e comida muito agradáveis, mas cuja lechuga nos rendeu a primeira – e quiçá última – caganeira da viagem…
dsc01474

 dsc01476

 No dia seguinte fomos a Chichicastenango, que possui um dos principais mercados de artesanías do país. Havia de tudo, tanto roupas e artesanatos tradicionais indígenas como modernos. Muita cor, e muita pechincha. O povo abaixava mesmo o preço, claramente para menos do que valiam as coisas… Havia muito pouco turismo, o que tornava a vida deles mais difícil e a nossa mais barata – e constrangedora.
Compramos algumas coisinhas, mas nao muitas, porque ainda temos muita carretera pela frente…
dsc01516

 dsc01494

 dsc01481

 dsc01533

 dsc01550

E o mais interesante do dia foi ver 2 muchachos montarem na raça um pau de 20 metros de altura que tem na praça central para uma especie de ceremonia na qual dois homens descem volando la do alto até o chao.
dsc015571

 dsc01564

O caminho de volta à Guatemala foi uma verdadeira aventura. Nao quisemos fazer o esquema  turista, que era uma van que custava 22 dolares por pessoa, e pegamos o onibus público – aqueles de escola americana – no qual vao sentadas tres pessoas por banco – teoricamente para duas crianças – e cujo motorista vai em um cacete que nao da nem para descrever. Ultrapassou tudo que encontrou pela frente – ate travei as costas de tanta tensao…
Mas vale, chegamos saos e salvos – e rápido!

Read Full Post »

Guatemala – Antigua

 No dia seguinte fomos à Antígua, aproveitando uma carona com Lucía, amiga do Eduardo e da Patrícia que conhecemos na sua casa no domingo e que também morou uns anos no Brasil e hoje canta músicas brasileiras na Guatemala, ajudando a divulgar nossa rica cultura.
Antigua, como o próprio nome diz, é a antiga capital do país, que foi transferida para a nova Guatemala em 1783, em uma tentativa de fugir dos terremotos, já que a cidade já havia sido destruída por dois. Nao deu muito certo, porque a nova Guatemala também já foi destruída por terremotos, mas de qualquer forma Antígua virou uma bela cidade de descanso para os Guatemaltecos, muitíssimo bonita e simpática, com suas casas e ruas coloniais espanholas.
Aquí passamos dois días, aproveitando nossa fase mais calma da viagem para andar, comer bem e devagar, ficar sentados na praça e conhecer o hotel Santo Domingo, onde ficaram hospedados Magaly e Zé quando vieram para o Congresso, que é muito muito bonito, com direito a ruínas, araras e piscina com fonte colonial.

dsc013271

 

dsc01311

 

dsc01324

 

dsc012841

 

dsc01441

 

dsc013431

A comer popusas em um restaurante com hermoso pátio interno

 

dsc01347

 

dsc01371

O mercado cooperativo de Antigua

dsc01381

 

dsc01393

 

dsc01436

Hotel Santo Domingo

dsc01437

 

dsc01433

Read Full Post »

 Enfim, chegamos à Guatemala. A diferença com relaçao aos demais países centro-amerianos salta aos olhos. A capital, Cidadade da Guatemala já tem uma outra cara, completamente diferente, muito mais desenvolvida que os demais.
Aliás, em linhas gerais nos surpreendeu um pouco o fato dos países centro-americanos serem, em geral, sensivelmente mais pobres do que os sulamericanos (com excecao da Bolívia, para menos, e da Guatemala, para mais) – esperávamos algo mais próximo. Algo que faz uma diferença muito grande, como constatamos, é a proximidade com os EUA. Na América do Sul há muita pobreza, mas nao há tanta subserviência aos EUA, que trazem uma serie de peculiaridades, como a própria dolarizaçao da economía, em El Salvador. 
Chegamos à noite e fomos direto para um hotelzinho no centro. No dia seguinte, caminhamos pelo Parque Central, onde estava tendo uma feira de artesanías e roupas muito coloridas, onde descobrimos que era domingo – para nossa absoluta perplexidade, pois ambos tínhamos certeza absoluta que era sábado…. De qualquer forma, na praça estava tendo também comemoraçoes sobre os 60 anos da Declaraçao Universal de Direitos Humanos e em uma das barracas era sobre o direito à comunicaçao, onde estava falando o presidente de uma entidade de rádios comunitárias indígenas, com o qual fizemos uma pequena entrevista.

  dsc01188

 dsc01189

 dsc01195

 dsc01213

 dsc01201

 dsc01225

 dsc012181

 Depois fomos almoçar na casa do Eduardo e da Patrícia, amigos do Zé e da Magaly, que nos receberam muito bem, com direito a muita conversa, muita cerveja e muita simpatia. Aproveitamos para publicamente agradece-los pela atençao e pelo carinho, bem como ao Zé pelo valioso contato.

dsc01245

Eduardo (Guayo) e família.

Cidade da Guatemala vista do mirador

Cidade da Guatemala vista do mirador

Nossa estadia nessa cidade teve duas etapas, já que daqui fomos à Antígua e ao lago de Atitlan, e depois voltamos para seguir rumo a Rio Dulce e Flores.  Assim que essa primeira parte acaba por aqui.

Read Full Post »