Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Chile’ Category

10/07/2005 – Bolívia

Depois de San Pedro fomos a Iquique, a cidade mais próxima do epicentro do terremoto. O centro urbano nao sofreu danos, só as áreas rurais foram afetadas. Os pelicanos passam bem.

image092

Nos despedimos do Chile em Arica, a cidade onde os chilenos vao passar o verao. No inverno, nao há muito o que se fazer… Essa igreja foi projetada pelo Eiffel (o mesmo da torre…), e é, como se supoe, toda em aço – paredes, janela, tudo. Vimos a exposiçao dos corpos pintados, que tava no meio da peatonal mais importante daqui… Bem mais bonito assim que num museu fechado, sem falar da facilidade do povo ter acesso à cultura…

image091

Entramos na Bolívia por Oruro… Na verdade, por Patacamaya, uma cidade no meio do caminho porque nao tinha ônibus direto para Oruro… Em Patacamaya descemos e para pegar o ônibus para Oruro ficava o povo parado no meio da estrada, os ônibus passavam e recolhiam as pessoas, quase sem parar… Nos acotuvelamos com alguns bolivianos e conseguimos subir em um, mas claro que nao tinha lugar… Mas td bem pq depois de um tempo desceram umas pessoas e tudo certo… Até que escureceu e começou a maior revoluçao dentro do ônibus, o povo gritando “para maestro”, porque, pasmem, nao tinha farol no ônibus, que tava viajando seguindo um caminhao com o pisca alerta aceso… Depois de alguns revoltosos descerem no meio do caminho, chegamos bem… E tivemos nossa primeira mostra que esse povo é bom de briga!

image090

Oruro é uma cidade pequena e 90% da sua populaçao é indígena… e, claro, muitos nao falam espanhol, o que dificultou um pouco nossa comunicaçao…

image087

A quantidade de pessoas nas praças, a qualquer hora do dia, chama a atençao...

A quantidade de pessoas nas praças, a qualquer hora do dia, chama a atenção...

Pra quem sente falta dos nossos orelhoes de ficha... são eles mesmo!!! A gente se desenvolve e exporta os velhos pros bolivianos.

Pra quem sente falta dos nossos orelhoes de ficha... são eles mesmo!!! A gente se desenvolve e exporta os velhos pros bolivianos.

Por enquanto, a Bolívia, os ônibus, os bolivianos, sao exatamente aquilo que a gente imagina, mas que parece caricatura… Maes com filhos nas costas, muita cor… e muita miséria tb… A frequencia de pessoas pedindo dinheiro ou tentando vender coisas, e especialmente lustrar sapato (nem que seja tenis!), é impressionante…

image083

image084

image085

image086

Em Oruro os serviços são como se fossem produtos vendidos em lojas, você entra e escolhe um… Tem a rua dos advogados, e claro, a rua dos arquitetos, com maquetes e desenhos na vitrine para vender o produto.

image082

Sucre é considerada por muitos bolivianos como a cidade mais bonita da Bolívia. É um cidade colonial, com dezenas de igrejas e conventos, e nos chamou a atençao como a presença da água enriquece uma cidade. É de fato muito bonita, mas nós vimos muito pouco porque passamos três dias no quarto cagando… Eita vida, viu!

image079

image080

image081

Anúncios

Read Full Post »

Aqui em San Pedro de Atacama ficamos em um Hostel muito legal, o Jurike. Felipe e Cristian (os CHAMANES) nos receberam muito bem, como todos os chilenos. Um pessoal muito entretenido também: 4 francesas, 2 alemas, 1 americana, 1 ingles, 1 alemao e uma francesa que mora em Sampa.

O hostel era feito de adobe (blocos de barro), como esta casa e toda San Pedro...

O hostel era feito de adobe (blocos de barro), como esta casa e toda San Pedro...

image111

Em um passeio que levou o dia todo, fomos a Toconao (un pueblo cercano), a parte do salar onde vivem os flamingos (altas pedras de sal por todo o solo) e as lagunas altiplanicas – cercadas por um conjunto de 5 vulcoes um ao lado do outro…impressionante.

image106

SALAR - o lago secou e só sobrou sal...

SALAR - o lago secou e só sobrou sal...

image108

image110

No dia seguinte fomos aos GEISERS, saimos as 4 da manha com um frio de -8 e vimos o sol nascer a 4000 metros de altitude pertod do vulcao El Tatio. Um espetáculo. Também nadamos nas aguas calintes do local…

image101

image102

image103

image104

image105

Em nosso último dia alugamos umas bikes e fomos ver as ruinas do que foi a última resistencia atacamenha contra os espanhóis. De tarde fomos com o CHAMAN e o povo do hostal nas lagunas Cejias, que ficam no meio do salar do atacama. A lagoa é incrível, tem água gelada em cima e quente embaixo, tem tanto sal que voce fica boiando mesmo com os pés e maos cruzados.

image093

image094

image095

image096

image097

image098

image099

image100

Read Full Post »

Depois de Santiago fomos para Valparaiso. Uma cidade cheia de ladeiras e elevadores urbanos.

image120

image121

O elevador Artileria...

O elevador Artileria...

...e sob o olhar do Pedro

...e sob o olhar do Pedro

Nosso primeiro dia em San Pedro de Atacama foi marcado pelas comemoraçoes do dia de San Pedro, em que há muito mistura da cultura indígena e da religiao católica, e obviamente, pelo deserto: Valle de La Luna.

image113

image115

image117

No valle de la luna quando o sol se põe não é o céu que muda de cor, é a montanha.

No valle de la luna quando o sol se põe não é o céu que muda de cor, é a montanha.

Read Full Post »

30/06/2005 – Isla Negra

Olás, já faz tempo que nao atualizamos o blog. É que estamos no deserto do Atacama, e aqui nao paramos um minuto, entao o tempo de internet fica reduzido mesmo. essas sao fotos ainda em Santiago. Muchas gracias novamente a família Diaz, que nos recebeu ao melhor modo chileno. Gracias Juan, gracias Patty!!!

image130

image132

image133

image134

Ainda em Santiango resolvemos dar um pulo em Isla Negra para ver a casa onde Pablo Neruda ia se inspirar, e onde hoje está enterrado. O lugar é realmente inspirador…

image126

image127

image128

Read Full Post »

Vista do heliporto do prédio onde estamos.

Vista do heliporto do prédio onde estamos.

Parque da República Argentina, em plena Santiago.

Parque da República Argentina, em plena Santiago.

Entrada, caminhada e vista do Cerro Santa Lucia, um dos dois únicos morros da cidade.

Entrada, caminhada e vista do Cerro Santa Lucía, um dos dois únicos morros da cidade.

image008

image009

Palacio de La Moneda, onde hoje trabalha o presidente Lagos e onde, em 11 de setembro de 1973, morreu Allende.

image010

Calles de Santiago

Calles de Santiago

Mercado Municipal...

Mercado Municipal...

... onde vendiam essa Centolla (nosso caranguejo) gigante, que agente nao comeu porque era muuuuito caro.

... onde vendiam essa Centolla (nosso caranguejo) gigante, que agente nao comeu porque era muuuuito caro.


Read Full Post »

21/06/2005 – Santiago

Chegamos em Santiago. Estamos hospedados na casa do Juan e da Pati, primo e tia do Rodrigo Dias Dias, amigo do Pedro. E digamos que ficamos com a melhor das impressoes do povo chileno. Eles sao gente finíssima, no super acolheram, com direito a tour pela cidade e tudo. E já no dia que chegamos nos convidaram para a comemoraçao do dia dos pais deles, que aqui foi ontem, na qual estava toda a família… Todos muito simpáticos, no receberam super bem… E animadíssimos, cantaram a noite toda músicas chienas e brasileiras (todos em voz alta) e até dançaram a cuêca, dança típica daqui, pra mostrar pra gente.. E nao pararam de nos dar bebida nem um segundo… tomamos muito pisco sauer e rum com coca. Como bebe esse povo! E os brasileiros certamente deveriamos aprender a ser hospitaleiros como eles…

Tia Pati e sua prima Margarita, que nos levaram para conhecer o pueblito - feira artesanal de domingo

Tia Pati e sua prima Margarita, que nos levaram para conhecer o pueblito - feira artesanal de domingo

(e o homem dançando a cuêca..)

(e o homem dançando a cuêca..)

Vista de Santiago, do topo do cerro San Cristovan

Vista de Santiago, do topo do cerro San Cristovan

E a vista da janela do nosso quarto, com o pôr-do-sol nos andes, de novo, que insiste em nos fascinar.

image022

No Chile as sinalizaçoes nao deixam dúvida…

image023

Chol-chol é um pueblo onde a maior parte das pessoas é descendente de mapuches. Tem um museu mapuche, com réplicas das cabanas e os utensílios usados… alguns bem interessantes…

image025

Pote para guardar cereais, feito com o coro das tetas da vaca...

Pote para guardar cereais, feito com o coro das tetas da vaca...

Caixao mapuche. Eles acreditavam que depoisdemortos nos unimos à natureza novamente. Por isso o buraco. Afinal, vai sair por onde?

Caixao mapuche. Eles acreditavam que depoisdemortos nos unimos à natureza novamente. Por isso o buraco. Afinal, vai sair por onde?

Read Full Post »

16/06/2005 – Chile

Em fim chegamos ao CHILE!!! A neve ficou pra tras mas o frio continua o mesmo … ou pior. Passamos direto por Osorno para economizar o tempo e o dinheiro que gastamos em Bariloche esperando fronteira abrir. Chegamos em Valdivia, uma cidade pequena com uma fábrica de cerveja familiar muito conhecida na regiao e uma feira fluvial muito interessante onde os leoes marinhos ficam comendo o que sobra da feira. O projeto da cobertura lembra o “Ver o Peso” de Belem, com algumas diferenças, uma delas as lonas coloridas que dao um tom de feira sortida. O papo com os chilenos, pescadores, trabalhadores da fábrica e etc esta mais corrente, eles admiram muito nosso futebol (mais do que o da Argentina) e sao muito comunicativos.

Feira fluvial de Valdívia

image035

vald 2

image0381

image0401

image0421


Naná boracha na fábrica de cerveja.

Naná boracha na fábrica de cerveja.

Ontem chegamos a Temuco, continuamos nossa jornada por feiras poulares e fomos a Pucon, uma cidade na base do Vulcao Vilarrica. Claro que non vimos nada de vulcao, por conta das nuvens (apesar do dia estar bonito), mas ainda assim o passieo valeu… o pôr-do-sol na playa grande daqui, que é uma praia à beira do lago Vilarrica – que em vez de areia tem pedrinhas pretas vulcanicas – é muito bonito, novamente com cordilheiras ao fundo.

Tomando nosso primeiro Pisco Sauer

Tomando nosso primeiro Pisco Sauer

A playa Grande

A playa Grande

pucon 3

image0331

Read Full Post »